No dia 25 de maio de 1979, o mundo foi abalado pelo terrível acidente do DC 10 da American Airlines. O voo 191 decolou do Aeroporto Internacional O'Hare de Chicago, com destino a Los Angeles, transportando 258 passageiros e 13 tripulantes a bordo. Infelizmente, a tragédia estava prestes a acontecer.

Logo após a decolagem, o voo 191 começou a ter problemas em sua asa esquerda, que se soltou completamente do avião, causando a perda de controle da aeronave. O DC 10 então caiu em um campo aberto próximo ao aeroporto, pegando fogo imediatamente.

Infelizmente, o acidente do DC 10 da American Airlines resultou na morte de todas as pessoas a bordo, além de duas outras que estavam em solo, totalizando 273 vítimas. O acidente do voo 191 foi considerado um dos piores acidentes aéreos da história dos Estados Unidos.

As investigações posteriores revelaram que o acidente foi causado por uma falha no motor esquerdo do avião, que fez com que uma das pás da turbina se soltasse, comprometendo a estabilidade da asa esquerda. Esse incidente levou a uma revisão geral das normas de segurança em todas as companhias aéreas e a medidas preventivas para evitar acidentes semelhantes foram tomadas.

Além disso, esse trágico incidente também levou a uma mudança nas prioridades de segurança nas companhias aéreas, colocando o foco na manutenção preventiva e na atualização de toda a frota existente.

Em homenagem às vítimas do acidente, a American Airlines ergueu um memorial no local da queda do avião. O memorial contém uma lista com os nomes de todas as vítimas do voo 191, e serve como um lembrete da importância da segurança na aviação e da necessidade de continuar aprendendo com esses trágicos eventos.

Em conclusão, o acidente do DC 10 da American Airlines foi uma tragédia que chocou o mundo inteiro e causou mudanças significativas na indústria da aviação. Embora os primeiros dias após a queda do voo 191 tenham sido de confusão e pesar, o evento desencadeou uma série de melhorias no setor que continuam a proteger a segurança de passageiros e tripulantes aéreos até hoje.